Movimento promove segundo abraço em defesa da Lagoa de Itaipu e entorno

O Movimento Lagoa para Sempre, que já congrega mais de 50 entidades da sociedade civil, sobretudo da Região Oceânica de Niterói organiza, no dia 26 de novembro, às 10h, o “2º abraço à Lagoa de Itaipu”, com o objetivo de pressionar os vereadores para adesão às emendas do Projeto de Lei defendidas pelo movimento. Segundo os organizadores a ideia é reunir mais de 1500 pessoas, número estimado de pessoas reunidas no 1º Abraço, ocorrido dia 22 de outubro deste ano.

O ato público de abraçar a lagoa simboliza a resposta dos moradores da região oceânica à consulta popular promovida pela Câmara de Vereadores sobre o Projeto de Lei do Plano Diretor enviado pelo Executivo, que recusa o modelo desenvolvimentista ditado pelo mercado imobiliário ao referido projeto, que insiste em querer avançar sobre as áreas protegidas da região de Itaipu e seu sistema lagunar, onde, em qualquer lugar do mundo seriam considerados Patrimônio da Humanidade e explorados na sua riqueza material e imaterial como atrativos turísticos de modo sustentável.

As principais emendas defendidas pedem a redemarcação como áreas protegidas de todo o entorno da Lagoa de Itaipu, do Sítio Arqueológico da Duna Grande (de oito mil anos), do Recolhimento de Santa Teresa (ruínas do século XVIII que sedia o Museu de Arqueologia de Niterói), do Cemitério São Lázaro, da Aldeia de Pescadores, das comunidades tradicionais, das características urbanísticas do bairro de Itaipu e toda região oceânica.

Na década de 1970, a referida área, foi palco do maior crime ambiental da cidade, quando a empresa Veplan aterrou o entorno da lagoa destruindo sítios arqueológicos de mais de oito mil anos, abriu o Canal de Itaipu, diminuindo em cerca da metade seu espelho d´água, expulsou pescadores tradicionais de suas moradias seculares que se favelizaram e aterrou áreas de brejo para construção de prédios luxuosos com marinas em ilhas particulares. Através da luta popular, essas áreas foram incluídas nos limites do Parque Estadual da Serra da Tiririca através do Decreto 41.266 no ano de 2008. Recente ação de construtoras junto ao STF contesta o decreto e reivindica propriedade dessas terras, num ato claro de intenção de retomada dos projetos imobiliários para a região. A decisão final será formalizada em definitivo pelo Plenário do STF.

Em outubro de 2016, o Prefeito Rodrigo Neves assinou a Carta Verde, comprometendo-se publicamente à “Decretar a área do entorno da Lagoa de Itaipu e da Duna Grande como área de preservação permanente, incluindo a frente marítima, tendo como referência uma poligonal a ser definida em consenso com a direção do Parque Estadual de Serra da Tiririca e do Comitê do Sistema Lagunar Itaipu-Piratininga”. Após um ano, não houve sequer interlocução da prefeitura com essas instâncias para definir os limites da APP.

O Abraço à Lagoa será um evento artístico com várias bandas de diferentes estilos musicais. Teremos também declamação de poesias, esquetes teatrais, dentre outras atividades culturais com a temática da lagoa.

Durante o ato os participantes poderão fazer adesão ao Movimento Lagoa para Sempre e se engajar nas suas diferentes frentes de atuação. O evento pretende convocar a população para o “Abraço à Câmara Municipal” no dia 29 de novembro, data prevista para a última votação do Plano Diretor.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *